Vida

Planos, projetos & frustrações

Eu tenho tido um – não, vários – problemas em relação a mim mesma. Tenho enfrentado algumas questões relacionadas a minha identificação pessoal, minha relação com meu corpo, comida, dinheiro, relacionamento e até com a vida em sociedade. Passei a questionar a própria existência e o quanto valia a pena seguir um caminho onde a gente já sabe onde vai chegar…

Comecei a escrever o parágrafo acima no dia 25/6. Hoje é dia 17/7 e algumas coisas mudaram, outras nem tanto. A primeira coisa que mudou é que eu já vinha analisando meu humor conforme meu ciclo menstrual e foi surpreendente (só que não) perceber que, ao me aproximar da menstruação, meu humor vai para o c*r*lho. Não só meu humor, mas minha produtividade, organização e fico apática, como se eu fosse coberta de musgo e não conseguisse respirar – uma pedra velha no rio.

Notando quando – e como – as coisas acontecem, quero me programar para isso, para que essas duas (quase 3!) semanas sejam mais tranquilas e menos exigentes de mim mental, emocional e fisicamente.

Fora isso, comecei a pensar em objetivos de vida. No que eu gosto e desgosto.

Eu gosto do meu trabalho mas desgosto de algumas coisas que precisam ser feitas.

Eu gosto de arte mas nunca fui estimulada a este gosto da maneira correta, então achei que só poderia trabalhar com arte quem tem talento. Engano meu e uma nova porta se abriu com meus cursos.

Há uns dois anos eu decidi que não tentaria mais ser uma ferrenha produtora de conteúdo para me tornar uma consumidora de conteúdo. O tiro saiu pela culatra e eu entro num espiral de frustração silenciosa acompanhando alguns perfis. Resolvi tirar esses perfis da minha vida e focar em quem eu gosto de consumir – o que reduziu drasticamente minhas horas em redes sociais – e percebi que o meu conteúdo aqui precisa ser mais espontâneo – viu, gostou, publicou – do que regrado, pensado, NICHADO, etc.. Caguei se “o conteúdo é rei”, eu quero ser uma produtora de conteúdo focando no que eu gosto e não no que o mercado quer, até porque não é isso que me dá dinheiro, né? Tenho meu trabalho formal, que funciona muito bem, obrigada, e paga minhas contas. Na internet, eu quero me divertir.

É por isso, também, que quero investir em coisas que eu gosto mas que eu nunca fiz, como fotografar coisas bonitas, fazer um diário e ouvir mais música. Quero dançar todo dia de manhã, começar o dia BEM, fazer exercícios e começar a ouvir podcasts. Quero ler mais e ver todos os episódios atrasados de séries, além de descobrir coisas novas.

Quero testar novos produtos para a pele, o cabelo, a vida, quero usar roupas bonitas e coloridas, quero parar de ter vergonha das coisas que eu curto. E quero mostrar pro mundo quem eu sou, eu de verdade…

Nessa toada, percebi que o blog é uma ótima ainda que ninguém mais leia blogs. Está aqui, documentado, e se alguém ler eu já fico feliz. E se ninguém ler, eu fico feliz também porque estou fazendo algo pela minha vida, para ler no futuro e me identificar (ou não).

Decidi definir metas para o segundo semestre de 2019. Não são OBRIGAÇÕES, são apenas coisas que eu QUERO efetivamente fazer – eu não preciso fazer essas coisas, eu só quero porque eu gosto. E pronto (são vários, ficou enorme):

  • Emagrecer: engordei no início do ano e isso não é ruim, mas gostaria de mudar de faixa no kickboxing em dezembro e o peso extra me prejudica. A ideia é não ter um número fechado “vou emagrecer 20kg” porque isso é irreal, e sim adotar hábitos saudáveis diariamente, comendo comida de verdade, diminuindo a quantidade se for necessário, mas focando mais em melhorar a qualidade do que consumo. Eu já fiz isso antes e emagreci consideravelmente ainda que este não fosse o foco – na época, era acabar com a iminência da pressão alta e do diabetes – então é uma boa tática para adquirir os hábitos. E o que vai acontecer depois do exame de faixa? Ora, eu vou estudar e treinar muito para a próxima faixa.
  • Estudar: comecei uma série de cursos que vão tomar meu sábado até o fim do ano. Mas ok, porque já percebi que tenho muita coisa legal para realizar daqui pra frente com eles, já que envolvem essa minha nova vontade de ser mais criativa e artística. Finalizando esses cursos, já vou pensando nos próximos, mas vou tentar horários que encaixem melhor na minha rotina semanal e, assim
  • Cuidar dos meus dentes: ainda na editoria de cuidar da minha saúde, preciso parar de procrastinar um bom tratamento dentário.
  • Terapia: não pular sessões de terapia por conta de outros problemas, inclusive mudei o dia para que isso deixasse de acontecer – das 8h30 da manhã de quinta, para 18h45 às tardes de sexta. Também preciso começar a pedir o reembolso pelas consultas, já que é algo que tenho direito.
  • Cuidar do meu cabelo, do meu corpo, do meu rosto e das minhas unhas: nessa maravilhosa jornada (rs) de conhecer o que gosto, percebi que queria passar mais tempo testando produtos novos e cuidando de mim. Não sei como vou encaixar isso na rotina insana que terei nos próximos meses, mas acho que preciso parar de procrastinar essas coisas, senão elas nunca vão acontecer. Vou começar a fazer o PI do Unha Bonita e montar um cronograma para os cuidados com o cabelo e com a pele – o primeiro objetivo é utilizar tudo o que eu já tenho em casa antes de comprar qualquer creme ou produto novo. Também vou marcar dermatologista para ver se conseguem me ajudar com a acne e limpeza de pele uma vez por mês.
  • Cuidar mais da minha casa e do meu relacionamento: preciso dar mais atenção aos afazeres domésticos, ainda que eu esteja cansada emocionalmente no dia. O mesmo vale pro meu relacionamento, preciso ficar mais próxima do meu namorado para que a gente não comece a entrar em conflito por conta dos afazeres domésticos.
  • Parar de procrastinar tarefas simples: depois que li esse texto do buzzfeed meu cérebro explodiu um pouquinho porque foi a descrição de como me sinto com algumas tarefas – levar roupas na costureira, enviar um presente pelo correio (oi, Carol, eu vou mandar) ou até decidir onde vou almoçar quando não tenho muitas opções. Eu me sinto inútil o tempo inteiro por causa disso e sou assombrada pelo esgotamento emocional constante. A “paralisia das incumbências” citada no texto descreve exatamente a sensação do meu corpo ao seu confrontado com uma decisão/tarefa simples de ser executada mas que exige um esforço (de deslocamento, burocrático, físico) que eu não quero fazer, como toda a lista anterior a este tópico, que eu montei mas não coloquei em prática (ainda). Só que eu preciso me livrar dessas sensações de impotência, vergonha e culpa se quiser, como comentei acima, me tornar não apenas uma produtora de conteúdo, mas uma pessoa que trabalha em casa. Como? Não sei. Tenho algumas ideias (oi, Carol, de novo, te amo minha planner crush) e tenho algumas direções, mas ainda não coloquei nada em prática – pra variar, eu passo tempo demais organizando em vez de fazer algo efetivamente… Só que isso PRECISA sair.

São essas coisas (todas) e eu preciso levar essa lista pra terapia, o texto pra terapia e juntar minhas questões essenciais e existenciais nessa explicação para (tentar) entender de onde vez essa sensação de esgotamento e, mais ainda, como sair dela não apenas nos primeiros 15 dias do meu ciclo.

Vamos melhorar juntos?

Photo by Martin Hauenstein from Pexels

Avalie este conteúdo!

Avaliação média: 5
Total de Votos: 9
Planos, projetos & frustrações

Um docinho de pessoa, até que se prove o contrário.

2 Comments

  • Carol

    Ah que texto maravilhoso e transparente. Carols, somos muito parecidas, não só nos nomes, gostos, profissões e ideias, mas eu também me sinto assim na maior parte do meu tempo. Praticando o caralho do microgerenciamento e executando menos. Planejar é gostoso, mas quando a gente planeja algo irreal, a execução se torna um fardo.
    Bora cuidar mais da gente! Parar tudo pra ver uma série, ir embora mais cedo do trabalho se perceber que não vai produzir legal apenas “estando ali”, ouvir música considerada tosca por outros, mas que a gente ama em volume máximo, parar de exigir ser uma pessoa perfeita que não existe.

    Vamos ser felizes primeiro, depois a gente alcança as demais metas opressoras hahahhaha

    Sou sua fã! Vc sabe! 🖤🖤🖤

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *